terça-feira, 16 de agosto de 2016

O que é infâmia?



Hugo Ernano (GNR) surpreendeu o ladrão. Flagrado, na fuga, o parasita tentou atropelá-lo. Hugo Ernano perseguiu-o e, dado que o patife se dirigia para o centro de uma povoação, disparou. Não atingiu o desfavorecido mas atingiu o aprendiz (filho e menor), escondido na viatura, a quem era conferida uma aula prática do ofício.

Hugo Ernano está condenado a pena suspensa, sem direito a salário; a família do menor ganhou uma choruda indemnização pela morte do filho. Mais
— o CM [Correio da Manhã] está impedido de lançar uma conta solidária para apoiar o militar da GNR, que tem filhos para alimentar. [A burocracia d]o MAI [Ministério da Administração Interna] ainda não autorizou o gesto solidário do jornal.

É vergonhosa a situação que a “justiça” criou a este militar da GNR
[sim, a justiça, porque não pretendo eximir de responsabilidades os crânios que escreveram o Código Penal, o legislador que o ponderou e consignou os alçapões, o Presidente da República que o homologou, a judicatura e o juiz que inescrupulosamente o aplicam, a Ordem dos Advogados que se aninha em consonância com os seus desígnios corporativos, o Ministério Público que da gestação à aplicação e execução falha mais vezes do que acerta (são necessários outros exemplos?), o advogado oficioso que sem repugnância e em juízo patrocinou o crápula, ...].

Gostava de saber se o Presidente da República já lhe fez chegar, à guisa de consolo, um afectuoso e sentido abraço. Já agora!

O espelho de uma sociedade putrescente, descomposta.