quarta-feira, 6 de julho de 2016

Téssera


Quando a pólvora não explode, o(s) determinista(s) [para evitar outros designativos] juram que não há pólvora; jamais suspeitam que o pavio terá sido apagado.
— Quem disse que a “casa” foi abandonada?

Quando vêem comprovada a falsidade das soluções [por si preconizadas] os tolos [para evitar outros designativos] gritam que negamos o problema.
— Quem disse que o “inquilino” foi de férias?

É assim tão espinhoso aceitar que, quem publica, pode sentir que roda sobre si próprio? e pior do que isso, que pesa rigorosamente nada prevenir?
«Isto vai acabar mal (...) e continuar indefinidamente a fintar a realidade não é hipótese. É pena? É. (…) Porque há gente que os previu. Porque existem inúmeros inocentes que sofrerão. (…) porque os principais culpados sairão ilesos, descarados como nunca, sorridentes como sempre.»
                                                                      ~ Alberto Gonçalves ~